sábado, 3 de novembro de 2012

A FESTA DO NATAL, ANO NOVO E DIA DE REIS


Neste período, entre o final de um ano e o começo do ano seguinte, comemoramos três grandes eventos que estão interligados: o Natal, o Ano Novo e o Dia dos Três Reis Magos.
Através desses três eventos, relembramos o mito do nascimento, o nosso propósito nesta vida e o apoio que teremos do Universo, traduzindo o renascimento interno de cada um.  Todos durante o signo de Capricórnio, que vibra a nossa capacidade de nos responsabilizarmos pelos nossos próprios atos – período de grande tomada de consciência.
A festa do Natal é o ato simbólico feito pela humanidade para expressar um fenômeno cíclico do Sol que, para o hemisfério sul se chama solstício de verão, quando o dia passa a ser mais longo que a noite.  Pois o Sol alcança o ponto mais alto em seu aparente percurso na abóbada celeste.  Ele é o primeiro a ser comemorado, logo na entrada do Sol no signo de Capricórnio, o que significa que é hora de avaliarmos e reestruturarmos nossa vida, ficando apenas com o essencial e básico para que possamos prosseguir em nossa jornada.  A energia de Capricórnio nos faz plantar as sementes de nossas intenções em solo já enriquecido por nossas experiências passadas e esperar, pacientemente, a colheita.
Cabe, agora, fazermos um parêntesis para um comentário sobre Capricórnio.  A energia de Capricórnio é dotada de grande força e ela nos dá a fundamentação para que possamos realizar fortes revoluções em nossa Alma e, conseqüentemente, na sociedade em que vivemos (família, trabalho, cidade, país, planeta).  A energia de Capricórnio nos traz prosperidade e abundância, bem como novas idéias, relações mais elevadas e expansão da consciência.  O principal objetivo de Capricórnio é manifestar a verdade e trazer as Almas para o caminho da verdade.  Sua energia nos impulsiona ao trabalho interno para que possamos sublimar e transfigurar nossa personalidade e nossa vida.  Capricórnio nos coloca na reta conduta e nos desenvolve o desejo de fazer o bem.  Com isso, ganhamos a benção dos Seres Iluminados, da Hierarquia e do Universo.
Capricórnio é representado por três símbolos distintos, conforme o seu nível de espiritualidade.  O primeiro – a cabra – possui grande força de ambição para ganhar dinheiro e alcançar a satisfação material.  São altivos e bastante trabalhadores e fazem de tudo para galgar altos postos.  Neste estágio, é preciso que a cabra se ajoelhe diante de uma poderosa força divina para quebrar sua altivez, arrogância e orgulho.  Deste modo, Capricórnio se transforma no segundo símbolo – o crocodilo – e mergulha na lama de seu ego inflado para vivenciar as exigências de seus karmas materiais, emocionais e mentais.  Neste estágio, deve aprender a dominar a matéria, o dinheiro, o sexo, o orgulho, as ambições materiais, o medo e os sentimentos de solidão, além de desenvolver a criatividade, a intuição e o contato com as forças divinas.  Após esta etapa, atinge o terceiro símbolo – o unicórnio – e sobe as montanhas da vida com determinação, e através da força de vontade domina as dificuldades.  Seu chifre no meio da testa é o símbolo da determinação apontada para uma única direção; é o Guerreiro Iniciado.  Assim, Capricórnio transcende a si mesmo e se torna um grande guerreiro da luz, um grande servidor da humanidade.
Voltando ao nosso tema, a Festa de Ano Novo tem um grande significado, pois coincide com a entrada do mês de janeiro, cujo nome faz uma alusão a Jano Bifronte – deus romano de origem indo-européia.  Esta figura mitológica representa o ponto de passagem do passado para o futuro, ou seja, o presente.  Com suas duas faces, uma voltada para trás, olhando o passado, e outra voltada para frente, vislumbrando o futuro, ele apresenta seus pés bem fincados ao chão, indicando que está firme no presente.  Desta forma, ele pode observar todas as mortes e nascimentos, todos os términos e começos, todos os erros e acertos, todas as perdas e ganhos, enfim, todas as ações humanas.  É com esta clareza que devemos fazer este rito de passagem de um ano para o outro, com sua tradicional queima de fogos de artifício e, através da pólvora, com sua mistura de fósforo e enxofre, purifiquemos os nossos corpos, proporcionando espaço para o novo e renovando nossos propósitos nesta existência.
No Natal, reverenciamos o nascimento de Jesus, anunciado por uma estrela (a estrela de Bethlehein), símbolo do alvorecer de uma nova luz.  Essa estrela encaminhou três Reis Magos – Baltazar, Melquior e Gaspar.  Eles expressam a universalidade do momento e a comunhão entre os povos, pois vieram de pontos diferentes da Terra, de culturas e costumes diversos.  Foram norteados pela estrela para, através dela, levar as bênçãos celestiais, oferecendo incenso, mirra e ouro.  Os três presentes representam os três poderes que o Universo nos concede para realizarmos nossos propósitos nesta vida.  A mirra para que possamos ter força física e saúde; o incenso para que possamos sublimar nossas tendências egóicas como o orgulho, a avareza, a ira e a inveja; o ouro para que possamos ser sempre uma luz espiritual para o mundo.
Outros dois símbolos participam deste período que vai desde antes do Natal até Dia de Reis: A Árvore de Natal e Papai Noel.  A Árvore de Natal representa a Árvore da Vida, que com suas raízes profundas agarra-se a Terra e com seu tronco esguio e ereto se abre aos Céus, estabelecendo a relação entre o Céu e a Terra.  Seus enfeites são nossos frutos, nossas criações mais valorosas e belas – o que temos de melhor a oferecer para as pessoas.  A seus pés, se acomodam os presentes, ou seja, aquilo que o Universo nos reservou para que continuemos em nossa trajetória evolutiva.
O Papai Noel é o símbolo da sabedoria e da tradição, com suas longas barbas e extenso caminho percorrido até nossos lares.  Sendo o sábio, o Mestre Interno de cada um de nós, ele distribui os presentes, os frutos que cada um receberá, conforme a trajetória que cumpriu com suas ações até então.  Sua roupa vermelha é o símbolo da alegria e do princípio da vida, é o brilho do fogo inicial, sempre renovado, que cada um de nós trás dentro de si.
Que neste período procuremos nos lembrar e cultuar a magia deste momento!
NAMASTE

domingo, 12 de agosto de 2012

CHAMA VIOLETA - A ENERGIA DE SHIVA


A Chama Violeta é uma das maiores dádivas que o Universo nos concedeu.  Também denominada Chama do Perdão, da Misericórdia e da Liberdade, é o aspecto transformador do Espírito Santo (a força de Shiva).  Quando invocada, a sua ação é completa: transmuta nossas tendências negativas, cura o nosso corpo e nossa Alma, elevando nossa consciência.
Esta energia de frequência elevada penetra o nosso sistema nervoso, nosso coração, nosso cérebro, aumentando assim a nossa energia, e assegurando-nos uma vida melhor.  Quando a Chama Violeta entra em contato com nossos pensamentos e sentimentos negativos - estresse, raiva, mágoas, tristezas, depressão - dissolve-os e gera harmonia e positividade.  este fogo espiritual consome não apenas a manifestação externa de nossas limitações, carências e apegos, como também as suas raízes e causas, além de penetrar na memória de vidas passadas, purificando seus registros.
A Chama Violeta é prática e fácil de usar.  Aforma mais poderosa de usá-la é através da visualização enquanto você recita em voz alta os decretos e afirmações.  Partimos do princípio de que "o pensamento cria e a palavra manifesta".
A Chama Violeta é, portanto, um processo de transmutação e purificação, através de um intenso trabalho mental, que nos ajuda a transpor obstáculos gerados por nossos condicionamentos e atitudes viciosas e repetitivas. O uso constante do processo de mentalização da Chama Violeta cria uma esfera de prosperidade, sucesso, otimismo, alegria, espontaneidade, clareza mental e saúde em nosso campo bio-psico-espiritual. Quando fazemos essa reforma interna, ajudamos o mundo a se reformar. 


quarta-feira, 4 de julho de 2012

AS DIMENSÕES DA ALMA - estudo e prática da dinâmica energética do chakras




PROGRAMA DO CURSO

O curso está moldado para ter uma parte teórica mesclada com a prática. O enfoque teórico está mais voltado para as questões psicológicas e comportamentais, além do desenvolvimento da energia de cada chakra. As questões anatômicas e fisiológicas afetadas pelos chakras serão abordadas sucintamente.
Público alvo: professores de yoga, psicólogos, médicos, fisioterapeutas e todos aqueles que se interessam por terapias energéticas como reiki, cura prânica, praticantes de yoga, etc.
Limite de vagas: 15
Será fornecido 1 apostila por cada módulo.

MÓDULO I
1º e 2 de setembro (sáb/dom) das 9 às 14 horas
ü      Nossa herança genética e a formação dos corpos (śārīra)
ü      Os principais canais de energia (nadīs) e a circulação da força vital (prānā)
ü      Nossos campos de energia (cakras) e os níveis de consciência
ü      Orientação geral para a prática:
·         Auto-massagem e os pontos marma
·         Desintoxicação e circulação da energia – as kriyās
·         A postura correta – o āsana
·         A respiração correta – o prānāyāma
·         As palavras de poder – os mantras
·         Os gestos de poder – as mudrās
·         Aplicação das cores e cristais

MÓDULO II
6 e 7 de outubro (sáb/dom) das 9 às 14 horas
ü      O centro raiz – muladhara chakra
·         Localização e relações como corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         As histórias da vida – suas raízes e origens familiares
§         Como sustenta seu corpo – a ação da gravidade e o enraizamento
§         A quantidade de movimento – tônus de ação e repouso
§         Arquétipos – vítima x provedor
§         O padrão da Alma rejeitada
§         A sintonia com seu dharma – o caminho
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās
ü      O centro sexual – svadhisthana chakra
·         Localização e relações com o corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         Os cenários da vida – suas lutas e conquistas
§         Como molda seu corpo – a força de atração, bem-estar e abundância
§         A permanência de movimento – tônus de continuidade
§         Arquétipos – mártir x imperador
§         O padrão da Alma explorada
§         A conquista da paz de espírito (shanti) – o cálice sagrado
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās

MÓDULO III
20 e 21 de outubro (sáb/dom) das 9 às 14 horas
ü      O centro do umbigo – manipura chakra
·         Localização e relações com o corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         Os recursos da vida – suas defesas e avanços
§         Como expande seu corpo – a força de expansão, poder pessoal e auto-estima
§         A qualidade de movimento – tônus de ajustamento
§         Arquétipos: servo x guerreiro
§         O padrão da Alma humilhada
§         O desenvolvimento da não-violência (ahimsa) – a luz
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās
ü      O centro do coração – anahata chakra
·         Localização e relações com o corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         Os vínculos da vida – suas relações e afinidades
§         Como ama sua vida – a força de coesão, magnetismo, amor e união
§         A adequação do movimento – tônus de direção
§         Arquétipos: ator/atriz x amante
§         O padrão da Alma esquecida
§         A irradiação do amor (prema) – a estrela guia
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās

MÓDULO IV
24 e 25 de novembro (sáb/dom) das 9 às 14 horas
ü      O centro laríngeo – vishuddha chakra
·         Localização e relações com o corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         Os projetos da vida – seus anseios e necessidades
§         Como legitima seu corpo – a força de transmissão, criatividade e comunicação
§         A integridade do movimento – tônus de expressão
§         Arquétipos: criança calada x comunicador
§         O padrão da Alma incompreendida
§         A expressão da verdade (satya) – o universo
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās
ü      O centro frontal – ajña chakra
·         Localização e relações com o corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         As realizações da vida – suas visões e contatos
§         Como integra seu corpo – ação da intencionalidade, clareza e discernimento
§         A precisão do movimento – tônus de dominação
§         Arquétipos: intelectual x intuitivo
§         O padrão da Alma sobrecarregada
§         A compreensão do grande teatro (mahā-lila)
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās

MÓDULO V
8 e 9 de dezembro (sáb/dom) das 9 às 14 horas
ü      O centro coronário – sahasrara chakra
·         Localização e relações com o corpo (anatomia e fisiologia)
·         Formação de sua energia e o estudo do comportamento:
§         As direções da vida – nascimentos e mortes
§         Como transcende seu corpo – força da essência, espiritualidade e transcendência
§         A pureza de movimento – tônus essencial
§         Arquétipos: egoísta x sábio (guru)
§         O padrão da Alma fragmentada
§         A transcendência da forma (svarupa) – o nada
·         Características de escassez e congestão de energia
·         O simbolismo de sua māndala
·         Seus distúrbios e as doenças
·         A prática de harmonização:
§         Limpezas através da auto-massagem e as kriyās
§         Os āsanas e prānāyāmas
§         Cores e cristais
§         Mantras e mudrās

ü      Revisão
·         Praticando o que aprendeu
·         Perguntas e respostas

sábado, 5 de maio de 2012

FESTIVAL DE WESAK - MOMENTO DE FECUNDAR-SE


Este é o período mais importante e bonito do ano.  No hemisfério sul, estamos em pleno outono, época de dar frutos; enquanto no hemisfério norte, estamos em plena primavera, período das flores.  As flores significam as nossas ações e os frutos simbolizam as nossas atitudes adequadas ao receber o fruto de nossas ações.  Além disso, maio está sob a influência, quase que em todo seu período, da constelação de Taurus, e esta, emana a energia da iluminação, da aspiração divina e da compaixão, para aqueles que já alcançaram um nível mais profundo de consciência, apesar de que para aqueles que ainda se encontram num nível mais superficial de consciência, a energia de Taurus se empobrece e se manifesta como desejos materiais, sedução e cobiça.  Portanto, maio nos chama para mergulharmos no grande útero cósmico em busca da nossa semente primordial, para que, diante dela, apresentemos nossas ações, como também, nossas atitudes ao receber o fruto de nossas ações e a fecundemos com nossas intenções mais nobres e puras.  Isto nos propicia a ligação de nosso Eu inferior pessoal com o Eu superior impessoal.  Desta forma, o mês de maio é dedicado à energia feminina, que todos, homens e mulheres, trazem dentro de si.
A lua cheia de Áries traz o aspecto masculino do pai, da ressurreição; é a redescoberta ou renascimento de uma nova consciência e está consagrada ao Cristo ressuscitado (Festa da Ressurreição).  A energia de Áries é ardente e impulsiva; ela leva a humanidade ao avanço e progresso, à renovação do propósito divino.


Já a lua cheia de Taurus, que normalmente ocorre em maio, traz o aspecto feminino da mãe, do grande útero ou do cálice sagrado. Na Índia, este mês corresponde ao período chamado de Vaishakha e que ficou conhecido por nós como Vesak ou Wesak.  Essa lua é considerada a de Buddha (Festa de Wesak), pois homenageia o seu nascimento e fala do auto-conhecimento, da iluminação e da compaixão.  A lua cheia de Taurus é o momento máximo da fecundidade, onde os três grandes centros do planeta – a Humanidade, a Hierarquia e a Divindade – se vinculam e se fundem com os centros cósmicos – estrela Sírius, Ursa Maior (hemisfério norte) ou Cruzeiro do Sul (hemisfério sul) e constelação de Taurus – liberando assim energias potentes sobre o planeta Terra.  Essas três Grandes Vidas ou Constelações são canais da energia da iluminação, do amor, da compaixão e do poder volitivo.  Essa época do ano é única, devido às combinações dessas energias e ao seu efeito sobre a natureza humana.  É nessa época do ano que temos a oportunidade de fecundarmos em nós mesmos o propósito divino renovado durante a lua cheia de Áries, para expressá-lo e expandi-lo durante a lua cheia de Geminis (Festa da Humanidade).
Em outras culturas, o mês de maio é dedicado pelos católicos a Nossa Senhora (a grande mãe da humanidade, que promove a irradiação do Amor Divino); pelos budistas a Siddartha Gautama (o Buddha, que se iluminou pela compaixão); na umbanda, aos Preto Velhos (símbolo da sabedoria, da bondade e da pacificação).  Outros eventos como libertação dos escravos e dia do trabalho também são comemorados neste mês e expressam o amor e a compaixão como sentimentos principais. A data da abolição da escravatura (13 de maio de 1888) indica uma forte tendência às aspirações da liberdade e da compaixão, enquanto o dia do trabalho (1º de maio) manifesta a energia do amor, da dedicação, da fraternidade, da união e da alegria, pois não há trabalho digno sem essas características.  E todas essas energias representam o aspecto emocional que é feminino. Assim, não é à toa que maio foi escolhido como o mês das noivas e das mães.
Salve Maria, a Grande Mãe!  Tu és a LUZ DO MUNDO, CHEIA DE GRAÇA!
Salve Buddha, o Iluminado!  Despertai a COMPAIXÃO EM TODOS OS SERES!
Salve Preto Velho!  Iluminai-nos com sua PAZ, SABEDORIA E BONDADE!
Salve a todos os homens de BOA VONTADE!  Sejais a ESPERANÇA DO MUNDO!

OM  SHANTI  PREMA  OM

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

AS PRÁTICAS DE YOGA NA CÍTARA

      YOGA SUKSMA VYĀYĀMA

buddhi tatha dhrti-shakti-vikasaka
      Esta prática tântrica trabalha o desenvolvimento, a harmonização e a integração da personalidade humana, nos diferentes níveis de manifestação dos padrões energéticos estabelecidos pelo Ser, através dos diversos campos de energia.
      O Yoga Suksma Vyāyāma é uma série regular de exercícios ritmados onde músculos, articulações, respiração, coordenação e concentração são trabalhados para integrar corpo, mente e espírito.  Esses exercícios facilitam a eliminação de três fluidos - vata (gases), pitta (biles) e kapha (muco) - que se acumulam no organismo e que bloqueiam a passagem do sangue, dos estímulos nervosos, do fluxo alimentar, das trocas respiratórias e, nos níveis sutis, do prāna (energia vital).
mani-bandha-shakti-vikasaka
        Esta prática combina exercícios respiratórios de purificação e energização (bhastrikā e kapalabhāti) com exercícios musculares e articulares vigorosos e dinâmicos de coordenação, além de posturações que veiculam a energia (bandhas), gestos de atuação psico-física (mudrās) e um trabalho abdominal que limpa e estimula seus órgãos e vísceras (agni-sara).
jangha shakti-vikasaka II
Através desses exercícios, nós trabalhamos, sem exceção, todos os grupos musculares, articulações, plexos e feixes nervosos, órgãos e vísceras do corpo, proporcionando melhor tonicidade muscular e flexibilidade.  À medida que energizamos os centros vitais (chakras) e aumentamos o fluxo energético nos canais de interação (nadīs), afrouxamos também as couraças musculares e desbloqueamos as articulações.



YOGATERAPIA

Esta prática está organizada com a finalidade de desobstruir os canais da energia sutil (nadīs) e promover a energização dos respectivos campos acumuladores e distribuidores da mesma energia (chakras).
    De acordo com a escola tântrica (Dakshina Tantra), o ser humano está representado energeticamente pela rede de nadīs e chakras que estão espalhados pelo corpo sutil.  Esta energia se manifesta e se desenvolve tanto na natureza como no homem, em suas diversas formas (física, psíquica e espiritual).  Quando os chakras estão adequadamente energizados e os nadīs desobstruídos, demonstrando equilíbrio entre os aspectos masculinos/femininos, racionais/emocionais e materiais/espirituais, podemos dizer que o praticante vive na plenitude de sua personalidade integrada e equilibrada, descobrindo a felicidade que já é, mas não reconhecia.  Desta forma, ele está capacitado a vivenciar bem o seu aprendizado e entrar em contato com a sua essência.
         Para promover esta energização, utilizamos diversas técnicas, conforme a escola tântrica:
shirshasana
                (postura sobre a cabeça)
               usando as cordas
\   kuruntha, técnica que utiliza a parede como apoio e cordas fixadas em argolas na parede para trabalhar o alongamento, a força e o tônus muscular de uma forma lúdica e desafiadora, preparando o aluno para as posturas do Yoga (āsana);
\       kriyās, prática de desobstrução dos canais da energia sutil;
\       āsanas, exercícios posturais de atuação psico-física que energizam os chakras, possibilitando uma melhor distribuição da energia;
\  prānāyāmas, exercícios respiratórios que ativam a energia que percorre através dos canais e dos chakras necessitados;
\ bandhas, contração de determinados grupos musculares que encaminham a energia para as áreas corporais que se destinam;
\  mudrās, gestos de atuação psíquica que estimulam um ou mais chakras;
uddiyana bandha
\ dhārana yantra, exercícios de concentração e visualização que utilizam as formas geométricas correspondentes a cada chakra para estimular e desobstruir seus canais mais profundos, atuando nos aspectos subjetivos do Ser.
    Para a prática da Yogaterapia, como cada praticante tem a sua necessidade própria, com suas deficiências e aptidões, optamos por um trabalho individualizado dentro de um espaço coletivo, ou seja, cada praticante tem a sua ficha com uma programação própria e usufrui o mesmo espaço e horário de outros praticantes para se trabalhar.
        Para que esta dinâmica aconteça, marcamos inicialmente, uma entrevista onde registramos sua principal queixa e analisamos a energia de seus chakras através de um mapeamento.  Desta forma, estamos aptos a desenvolver um programa de trabalho.  Periodicamente, conforme a evolução da prática, remarcamos uma avaliação para uma eventual mudança de programa terapêutico.



      ĀSANA YOGA
      
virabhadrasana
(postura do guerreiro)
      Esta é uma prática coletiva semelhante à Yogaterapia, onde utilizamos uma automassagem breve para despertar o corpo, além de desbloquear a energia sutil e desintoxicar o corpo.  De acordo com a escola trântrica, usamos a prática de kriyās, bandhas, āsanas e prānāyāmas como na prática individualizada, além do relaxamento ou a meditação ao final da aula, que aprofundam o nível mental e nos fazem alcançar estados de consciência pura, promovendo a paz, a alegria e o bem-estar.



YOGA NAMASKAR

É uma prática voltada ao desenvolvimento das saudações (Namaskar).  As saudações são práticas do Yoga, nas quais se fazem as posturas (āsanas) em uma seqüência encadeada, formando uma coreografia ou composição (vinyāsa).  No decorrer das aulas, desenvolvemos as seguintes saudações:
1. Saudação à Terra (Bhur Namaskar) – para ativar o centro da base.  Este centro manifesta a concrescibilidade e nossa capacidade de organização e realização;
surya namaskar
2. Saudação à Lua (Chandra Namaskar) – para ativar o centro da pelve.  Nossa fluidez é a principal característica desse chakra, nos tornando maleáveis e produtivos;
3. Saudação ao Sol (Sūrya Namaskar) – para ativar o centro do abdômen.  Esse chakra expressa a ignescência e nos dá o poder pessoal e a capacidade de expansão;
4. Saudação do Guerreiro (Virabhadra Namaskar) – para ativar o centro do coração.  Nossa agilidade se manifesta através desse centro, que nos ativa a capacidade de liderança e a facilidade de nos relacionarmos;
5. Grande Saudação (Mahā Namaskar) – para ativar o centro da garganta.  Manifestamos a criatividade através desse chakra, que nos desperta idéias e maneiras de se fazer presente no mundo.
Iniciamos a prática, fazendo a limpeza dos canais sutis, através de uma intensa série de respirações e movimentos próprios para purificar e abrir os canais.  Em seguida, fazemos de 4 a 5 séries de uma única saudação.  Pois, em cada aula nos dedicamos a uma saudação.  Ao final, sentamos e meditamos por 15 minutos.



YOGATERAPIA HORMONAL

Yogaterapia Hormonal é um tratamento natural e holístico mais apropriado aos distúrbios e disfunções dos órgãos femininos que, por meio do massageamento interno e direcionamento da energia vital individual, ativa as glândulas responsáveis pela produção de seus hormônios.  Como exemplo, isto trará uma conseqüente suavização e/ou eliminação dos sintomas da menopausa.
Trata-se de uma série dinâmica de posturas (āsanas) que trabalham mais intensamente o corpo energético atuando em todas as glândulas e chakras principais.
A série é indicada nos casos de TPM, infertilidade, secura vaginal, dores de cabeça, dores articulares, enxaqueca, irritação, ansiedade, insônia, perda de apetite sexual, perda de massa óssea, instabilidade emocional, etc.
É necessário que a aluna traga um atestado médico.  Nós não fazemos diagnósticos.  Apenas, através da Yogaterapia procuramos ajudar na solução dos problemas hormonais femininos usando uma técnica natural.  A aluna deve explicar ao seu médico que esta prática reativa a produção natural de hormônios e que faz muita movimentação da musculatura abdominal.



YOGA NIDRĀ


Originária do Tantra, esta técnica conduz o praticante a um relaxamento consciente.  Para o Yoga, relaxar não é dormir, nem muito menos entregar-se aos devaneios da mente enquanto descansa numa confortável cama ou poltrona.  Nossas inúmeras portas sensoriais nos distraem, nos excitam, nos emocionam, enfim, nos estressam e nos impedem de alcançarmos um estado profundo de relaxamento e que ainda vai muito além disto.  A prática do Yoga Nidrā leva seu praticante ao campo do Eu profundo: o campo do conhecimento puro, da infinitude, da eternidade e da correlação pura.

shavasana
Nidrā significa “sono” e, portanto, Yoga Nidrā é a prática que nos leva a um estado profundo de freqüência das ondas cerebrais, que se assemelha ao do sono.  A diferença é que estamos conscientes.  Seu método induz ao relaxamento profundo, ou seja, a este estado de “sono consciente” tanto o organismo físico, como o psíquico, alcançando suas estruturas mais sutis – o campo da causalidade ou intencionalidade.  Isto quer dizer que vencemos as barreiras da mente consciente e da mente subconsciente, mergulhando no vasto campo do inconsciente.
Seu método começa com uma simples indução de relaxamento físico, diminuindo a abertura das portas de entrada sensoriais até direcioná-las para dentro (pratyāhāra).  Neste momento criamos na mente um propósito positivo para a nossa vida; algo que nos mova em direção à luz.  Continuando com uma indução da consciência a perceber partes do corpo, seu funcionamento e sensações internas, preparamos a mente para explorar áreas cada vez mais profundas.  Concluindo esta etapa, iniciamos as visualizações para que, através desta técnica ultrapassemos os mecanismos bloqueadores da mente concreta e racional, e mergulhemos no potente campo do inconsciente.  Agora, retornamos ao nosso propósito inicial.  Repetimos este propósito algumas vezes e encerramos a prática, fazendo um retorno gradual ao estado de vigília.



PRÁTICA DE MANTRAS

“Mananat Trayate Iti Mantrah”, ou seja, Mantra é aquilo que salva ou defende das limitações da mente.  O Mantra é uma energia em forma de som.  Este som controla a mente que está submersa nos prazeres dos sentidos.
Mantra-Yoga é a parte desta escola que estuda a aplicação dos sons com a finalidade de expandir a consciência a níveis mais sutis, a partir de uma combinação de sons derivados das 50 letras do alfabeto sânscrito (devanāgari).
Sarasvati
      (Deusa do conhecimento, das artes, da religiosidade)
Ao surgir o Universo, surgiu o som.  O Universo é vibração e esta provoca um som.  Não há movimento sem som, bem como não há vida sem vibrações.  Tudo está em constante vibração.  Os seres vivos estão em vibração.  Esta vibração emite um som sutil.  O som primordial é a vibração original, a matriz de todas as outras vibrações, substrato do Universo todo.  A diversidade da matéria universal multiplicou o som primordial infinitamente.  Este som primordial é o Mantra “Om”, o som original da manifestação do Universo.  Deste som surgiu toda qualidade de sons que representam todos os tipos de manifestações do Universo.
As combinações destes sons estabelecem vibrações específicas e sua aplicação regular leva em níveis específicos de consciência, como também podem mudar completamente as características de uma pessoa.  Assim se processa o Mantra-Yoga.  Pois, quando se diz “...que salva ou defende das limitações da mente”, a idéia básica é que a combinação destes sons, sendo repetido regularmente pelo aluno, libera e aumenta a capacidade do campo consciente da mente.  Esta expansão da consciência leva o aluno a contatar o Ser Absoluto, o Eu Superior localizado no ápice do campo do pensamento puro, da correlação infinita e da bem-aventurança.



      YOGA TIBETANO

A tradição tibetana tem como práticas, para o pleno despertar da consciência humana, a meditação/visualização, o trabalho corporal, o canto de mantras e o estudo. Esta prática está fundamentada na Tradicional Medicina Tibetana, em sua filosofia e psicologia. O Yoga Tibetano é um sistema de práticas espirituais de harmonização da personalidade humana que utiliza recursos como:
OM MANI PEME HUM HRIH
  mantra do Buddha Chenrezi
(compaixão)

\  Meditação, que nutre o coração e a mente, abrindo espaços na consciência para sentimentos de alegria, equanimidade, amor e compaixão;

\     Visualização, que flexibiliza a mente e a torna apta para o uso de suas infinitas possibilidades de criar uma realidade produtiva;
\     Trabalho corporal, para integração e equilíbrio do corpo, respiração e mente, através de movimentos lentos e suaves, com conscientização das sensações corporais e expansão no relaxamento;
\     Canto de mantras, para ajudar a relaxar o corpo, os sentimentos e a mente, além de manter a atenção plena.